O passarinho que construiu sua própria gaiola

Vinicius Cavalcanti de Abreu*

O passarinho que construiu sua própria gaiola

Essa é a história de dois pássaros. Acreditem: eram gêmeos. Dico e Tico nasceram sincronicamente no mesmo horário, cada qual de seu ovo. Foi um espanto e deslumbramento geral. Nunca no bosque coisa igual fora vista. Pareciam realizar em uníssono o passo a passo do rito do nascimento.

E como eram idênticos esses irmãos. Idênticos até em suas diferenças!

Dico fazia suspirar todas as mamães pássaro, que sonhavam tê-lo como genro. Tico deixava sem ar e tonteadas todas as jovens passarinhas do lugarejo.

Dico era cauteloso e atencioso. Tico audacioso e elétrico. Queria uma vida interessante enquanto o irmão se esforçava por um viver na correção e ordem.

Tico era intenso e se aventurava descobrindo e superando seus limites. Dico era manso e buscava se preservar dos desgastes e perigos da vida. Sempre tinha uma palavra sensata para todos que o procuravam.

E como se amavam esses irmãos!

Dico sempre alertava Tico de seus excessos e do risco que corria. “Cuidado irmão! O mundo tem gaiolas suficientes para todos os passarinhos.”

Tico dava de ombros: “Se a vida não me segura, quem dirá uma gaiola!”

Até que um dia Tico apareceu muito animado chamando a todos para assistirem sua mais nova proeza. Iria desafiar uma armadilha! Já que era ágil, se convenceu de que daria um voo rasante por entre a arapuca e, antes que ela se fechasse estaria do outro lado, livre e a salvo. Dico achou aquilo infantil e uma grande perda de tempo. Preferiu ficar onde estava seguro e sossegado a refletir sobre a vida.

Acontece que a arapuca foi mais rápida que o passarinho. Tico ficara refém de sua ousadia e foi parar direto na gaiola de um colecionador. Quem gosta de pássaros em gaiola realmente coleciona muitas dores ao seu redor.

Dico, assustado, voou imediatamente para onde o irmão se encontrava. Sabia o quanto havia tentado alertá-lo! O reencontro foi emocionante e doloroso. Por isso este narrador se despede um pouco para que apreciem sem interferência o diálogo que se seguiu.

Dico: Tico! Meu irmão. O que você fez?

Tico: Dico, me ajuda! Eu não posso ficar aqui. Vou morrer de tristeza neste lugar. Não posso acreditar, meu voo me traiu.

Dico: Não foi seu voo quem te traiu. Eu falei tanto com você, Tico. Você se abandonou à própria sorte, irmão.

Tico: O que faço agora? Me recuso a aceitar viver neste lugar.

Dico: Você é esperto meu irmão. O pássaro mais esperto que conheço. Sei que vai encontrar uma forma de sair dessa. Mas vai precisar ter paciência e cautela para construir uma saída! Venho te visitar todos os dias. Sou expert em calma e reflexão e vou te ajudar. Mais do que tudo, encare como um momento de aprendizado.

Tico: Obrigado irmão. Te agradeço muito! Se vou aprender, o que poderei te ensinar?

Dico: Ora! Não sou eu que preciso de ajuda. Infelizmente você não tem nada a me ensinar.

Tico: Será mesmo Dico? Sei que fui insensato, impulsivo e bastante descuidado. Percebo claramente isso agora. Construí as bases de minha própria gaiola. Mas e você?

Dico: Eu o quê?

Tico: Você já vive dentro de uma gaiola e não enxerga! O pior: você mesmo se esmerou em construí-la. Uma gaiola através da qual você se esconde da vida. Eu mergulhei com muita sede e me afoguei, mas você vê a vida da margem. Isso não é cautela, é medo e covardia. É sempre tão sério que se tornou desinteressante, fechado e cheio de razão. Mas cadê a emoção? Prazer também faz parte da vida. Qual a última vez que realmente sentiu satisfação em viver?

Dico, impactado, só conseguiu assentir com a cabeça e deixar uma lágrima rolar. Os irmãos gêmeos, tão diferentes em suas semelhanças, agora tinham consciência de suas gaiolas.

Mas, ainda bem, talvez haja uma boa dose de esperança a partir deste momento.

Imagem: autoria desconhecida, imagem retirada da internet.

*Vinicius Cavalcanti de Abreu CRP 04/22.700 é psicólogo clínico na cidade de Belo Horizonte (MG). Atende crianças, adolescentes, adultos, casais e famílias.  Contato: multiversoterapeutico@gmail.com

Deixe um comentário

Arquivado em Narrativa Terapêutica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s